terça-feira, 15 de dezembro de 2009



Áreas: Os Seres Vivos

Objetivo Geral:

Sensibilizar e conscientizar as crianças de que a vida depende do ambiente e o ambiente depende de cada cidadão deste planeta.

Objetivos Específicos:

 Despertar o interesse das crianças para o cultivo de horta e conhecimento do processo de germinação;

 Dar oportunidade aos alunos de aprender a cultivar plantas utilizadas como alimentos;

 Conscientizar da importância de estar saboreando um alimento saudável e nutritivo;

 Degustação do alimento semeado, cultivado e colhido;

 Criar, na escola, uma área verde produtiva pela qual, todos se sintam responsáveis;

 Estimular os alunos a construírem seu próprio conhecimento no contexto interdisciplinar;

 Contextualizar os conteúdos aos problemas da vida urbana;

 Construir a noção de que o equilíbrio do ambiente é fundamental para a sustentação da vida em nosso planeta.

Justificativa:

Um número crescente de educadores tem refletido e muitas vezes buscado cumprir o importante papel de desenvolver o comprometimento das crianças com o cuidado do ambiente escolar: cuidado do espaço externo e interno da sala ou da escola, cuidado das relações humanas que traduzem respeito e carinho consigo mesmo, com o outro e com o mundo. A reflexão sobre o ambiente que nos cerca e o repensar de responsabilidades e atitudes de cada um de nós, gera processos educativos ricos, contextualizados, significativos para cada um dos grupos envolvidos. Neste contexto, o cultivo de hortas escolares pode ser um valioso instrumento educativo.

O contato com a terra no preparo dos canteiros e a descoberta de inúmeras formas de vida que ali existem e convivem, o encanto com as sementes que brotam como mágica, a prática diária do cuidado – regar, transplantar, tirar matinhos, espantar formigas com o uso da borra de café ou plantio de coentro, o exercício da paciência e perseverança até que a natureza nos brinde com a transformação de pequenas sementes em verduras e legumes viçosos e coloridos. Estas vivências podem transformar pequenos espaços da escola em cantos de muito encanto e aprendizado para todas as idades.

Hortas escolares são instrumentos que, dependendo do encaminhamento dado pelo educador, podem abordar diferentes conteúdos curriculares de forma significativa e contextualizada e promover vivências que resgatam valores.

Sendo, do professor Moacir Gadotti : “Um pequeno jardim, uma horta, um pedaço de terra, é um microcosmos de todo o mundo natural. Nele encontramos formas de vida, recursos de vida, processos de vida. A partir dele podemos reconceitualizar nosso currículo escolar. Ao construí-lo e cultivá-lo podemos aprender muitas coisas. As crianças o encaram como fonte de tantos mistérios! Ele nos ensina os valores da emocionalidade com a Terra: a vida, a morte, a sobrevivência, os valores da paciência, da perseverança, da criatividade, da adaptação, da transformação, da renovação”.

Orientações didáticas (metodologia)

O planejamento do projeto deve ser feito de modo que os alunos acompanhem todas as etapas do cultivo, participando diretamente de cada uma delas. A cada semestre, pode ser escolhida uma verdura para ser cultivada. Mas, antes que os alunos comecem a ter contato com a terra e as sementes, é importante que o professor procure envolvê-los em uma atividade lúdica que desencadeie a questão do cultivo.

As crianças envolvidas no projeto poderão realizar pesquisas sobre:

 O solo, o clima e os alimentos;

 Os alimentos e o seu valor nutricional;

 A importância do solo na reprodução de alimentos;

 Os cuidados com a preparação do solo;

 Alimentos e seu valor nutricional;

 Receitas pesquisadas junto a familiares e outras pessoas da comunidade que contenham os alimentos cultivados na horta;

 Atividades relacionadas ao conteúdo programático.

 O cultivo de plantas, algumas hortaliças e plantas frutíferas podem ser cultivadas em vasos na sala ou do cultivo de uma horta no espaço externo da instituição;

 No caso de haver possibilidade de se manter pequenos animais e plantas no espaço da sala, as atividades de observação, registro etc., podem integrar a rotina diária.

 Cabe ao professor planejar os momentos de visita e de cuidados, integrando-os na rotina como atividades permanentes.

1ªetapa

Pergunte quem conhece uma horta. Para que serve? Conte que os vegetais e legumes são seres vivos. Por isso, precisam de cuidados, como sol e água.

2ªetapa

Que ingredientes são usados em uma salada ou sopa? Registre as respostas – delas podem surgir boas idéias para receitas. Leve as crianças ao refeitório e mostre alguns vegetais. Alerte para a importância de lavar bem as mãos antes de tocar na comida.

3ªetapa

Aqui a horta começa realmente. Faça uma placa com o nome da criança, a data e uma foto da planta de que ela vai cuidar. Proteja o papel com plástico para não molhá-lo quando a horta for regada. Depois cole as fichas em palitos de churrasco e entregue-as à turma. Num canto ensolarado, proponha às crianças que revolvam a terra com pazinhas. Cada uma deve fazer um pequeno buraco, transplantar sua muda ou semente, apertar a terra em volta e molhá-la. Fotografe para que todos comparem essa etapa com as outras.

4ªetapa

A horta precisa de cuidados diários: água (fora dos horários de sol a forte) e observação para detectar pragas. O que acontece se as plantas não receberem água ou luz suficiente? Use duas plantas extras: uma ficará sem ser regada. A outra, coberta por uma caixa. Estimule as crianças a entender por que vão murchar.

5ªetapa

Separe as fotos com o passo-a-passo da horta e peça que as crianças coloquem em ordem, avaliando o crescimento das plantas.

6ªetapa

Hora da colheita. Na cozinha, as crianças podem lavar as plantas.

Recursos humanos e materiais

Garrafa PET vazia, terra, adubo, areia, sementes; água, estilete, tesoura, pá e rastelo.

Referencial bibliográfico

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Ministério da Educação e Desporto. Secretária de Educação fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário